Um dia modorrento

Terça-Feira, 31 de março, final da tarde. Dia modorrento. Eu voltava da escola, do Colégio Andrews, por volta das 17h, 18h, quando os primeiros rumores de que havia um golpe militar em andamento, vindo de Minas Gerais, surgiam. Ficamos na expectativa do que iria acontecer.

Quarta-feira, feriado, não houve aula. Dia chuvoso. Fiquei sentado no batente do meu prédio, na rua Raimundo Corrêa n. 27, em Copacabana, junto com um amigo cuja família era contra o golpe militar e apoiava o presidente João Goulart, enquanto a imensa maioria da rua era eleitora da UDN, todos fãs do Carlos Lacerda.

Havia uma expectativa de todos os lados, mas não discutíamos muito, não falávamos muito… éramos todos garotos, entre os 12 e 15 anos de idade.

À tarde, fui ao cinema com um amigo e minha mãe me deu instruções para voltar para casa discretamente, caso houvesse alguma coisa.

Eu vivia, desde a infância, cercado de cinemas. Em frente a minha casa ficavam o Metro Copacabana, Art Palácio e o Copacabana. Eu fui assistir um filme inglês, quando começou uma barulheira muito forte na rua. Fui até a porta do cinema espiar e a classe média de Copacabana, a classe média de sempre, comemorava com estardalhaço na rua, buzinaço, panelaço e bandeiras nacionais a ida do Presidente Jango do Rio para Brasília, como se o golpe já tivesse consumado.

Ficamos tristes. Eu fui para casa de cabeça baixa, discreto junto com meu amigo. E no caminho percebi o que era a luta de classes. Eu vi que enquanto a classe média comemorava o golpe, todos os porteiros dos edifícios, de cabeça baixa, tentavam ouvir pelo rádio alguma notícia mais animadora.

Ali eu entendi tudo: o caráter daquele golpe de Estado.

E hoje, 52 anos depois, vemos a mesma classe média com o mesmo estardalhaço tentando derrubar mais um presidente da República. Não como disse Darcy Ribeiro: “A respeito de Jango, ele não caiu pelos seus defeitos. Ele caiu pelas suas qualidades.”

E a história volta, mais uma vez, a se repetir. Dessa vez como farsa.

__

Sete filmes que contextualizam e apresentam fatos políticos e o processo histórico que culminou na barbárie dos tempos da ditadura:

1. Os Anos JK – Uma trajetória Política (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | O filme aborda a História do Brasil: a eleição de JK, o nascimento de Brasília, o sucessor Jânio Quadros que renuncia, a crise política, o golpe militar e a cassação dos direitos políticos de Juscelino. O foco é a trajetória política de Juscelino Kubitschek, o “presidente bossa nova”, popular entre os artistas, que propunha aceleração no desenvolvimento do País rumo à modernidade e a ocupação de um lugar entre as potências mundiais.JK

2. Jango – Como, Quando e Por que se derruba um presidente (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | O filme refaz a trajetória política de João Goulart, o 24° presidente brasileiro, que foi deposto por um golpe militar nas primeiras horas de 1º de abril de 1964. Goulart era popularmente chamado de “Jango”, daí o título do filme, lançado exatos vinte anos após o golpe. jango

3. Tancredo, A Travessia (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | Tancredo – A Travessia é um documentário brasileiro que retrata, através de depoimentos a biografia do Presidente Tancredo Neves. Conta a história do homem firme em suas decisões e sereno nas atitudes, do político moderado, mas que durante a sua vida pública enfrentou com ética, retidão e extraordinária coragem grandes desafios em momentos cruciais da história do país.
tancredo

4. Militares da Democracia: Os militares que disseram não (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | Eles lutaram pela Constituição, pela legalidade e contra o golpe de 1964, mas a sociedade brasileira pouco ou nada sabe a respeito dos oficiais que, até hoje, ainda buscam justiça e reconhecimento na história do país. Militares da Democracia resgata, através de depoimentos e registros de arquivos, as memórias repudiadas, sufocadas e despercebidas dos militares perseguidos, cassados, torturados e mortos, por defenderem a ordem constitucional e uma sociedade livre e democrática.
militares-que-disseram-nao

5. Os advogados contra a ditadura: Por uma questão de justiça (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | Com a instauração da ditadura militar através de um golpe das Forças Armadas do Brasil, no período entre 1964 e 1985, o papel dos advogados na defesa dos direitos e garantias dos cidadãos foi fundamental no confronto com a repressão, ameaças e todo tipo de restrições. “Os Advogados contra a Ditadura” propõe uma profunda reflexão sobre a época em questão, relembrando, através de depoimentos e registros de arquivos, a relevante e ativa participação dos advogados contra as imposições do autoritarismo e na luta pela liberdade.
advogados

6. Utopia e Barbárie (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | O filme é um road movie histórico: para reconstruir o mundo a partir da II Guerra Mundial, passa pela Itália, EUA, Brasil, Vietnam, Cuba, Uruguai, Chile, entre outros países. Em cada um desses lugares, documenta os protagonistas da história. Tão importante quanto o tema é o olhar do autor. Este olhar foi se construindo a partir da elaboração do filme. Por isso, buscou a reconstrução da história de maneira não partidarizada. Ouviu diferentes personagens com abordagens distintas. Juntos compõem um rico painel de nossa época.
utopia

7. Glauber, o Filme – Labirinto do Brasil (Dir.: Silvio Tendler)
Documentário | Glauber, o filme – Labirinto do Brasil é um documentário sobre a vida e a morte de Glauber Rocha, o polêmico cineasta baiano que revolucionou o cinema, promovendo uma radical revisão na cultura brasileira. Imagens do enterro, depoimentos recentes de quem acompanhou sua trajetória, seu pensamento e idéias, explodem na tela num filme-tributo à memória de um artista que idealizava um cinema independente e libertário.
glauber